almanaquesonoro.com

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home

Energia Nuclear e Impacto Ambiental

E-mail Imprimir PDF

Quadro 2 - Ligação TV

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Voltamos a apresentar... O Almanaque Sonoro de Química!

Áureo Prata – Muito obrigado pelo carinho de vocês e pela audiência! Hoje, o nosso Almanaque vai nos trazer a continuação do tema...

"ENERGIA NUCLEAR E IMPACTO AMBIENTAL”.

Está no ar...

O Almanaque Sonoro de Química!

Ligação TV

Darcy Lício – Pronto pra mais um “Ligação TV” professor? 

Prof. Hélio – Ligadíssimo Darcy.

Darcy Lício
– Ok. Ouça então o que traz a nossa ouvinte Juliana de Assis, aluna do 3º ano do Ensino Médio.

Juliana – Assisti ao filme Síndrome da China e fiquei impressionada com a história. Uma repórter e seu cinegrafista presenciaram um estranho acontecimento numa usina nuclear. A repórter, muita chateada, passou a investigar o assunto e acabou descobrindo um esquema para encobrir o assunto; se o caso viesse à tona, a usina seria fechada. Professor Hélio: O filme é de 1979, mas... O senhor acha que acidentes nucleares ainda podem acontecer hoje em dia?

Prof. Hélio – Olha Juliana... Houve um tempo que diziam que o núcleo de uma usina atômica dos Estados Unidos iria afundar até a China, caso o reator derretesse. Por isso o filme ganhou esse nome. Esse filme foi lançado em março de 79 e por ironia do destino, treze dias depois aconteceu um acidente numa usina nuclear na Pensilvânia.

Darcy Lício
– Uma sinistra coincidência!

Prof. Hélio – Só que sinistros não ocorrem por acaso: houve falha de equipamentos, erros operacionais, corte indevido de custos, falta de manutenção e para piorar, foram tomadas decisões erradas por pessoas despreparadas...  

Darcy Lício – Que absurdo! Mas... E a dúvida da Juliana professor?

Prof. Hélio – Bom... Acredito que seria melhor falar sobre o ciclo do elemento combustível nuclear. 

Darcy Lício – Tudo bem assim Juliana?

Juliana – Perfeito!

Prof. Hélio – Então vamos lá: a etapa de mineração de urânio deve ser adequadamente planejada para não causar impactos ambientais. O primeiro passo é extrair urânio do minério por tratamento com ácidos, purificá-lo e concentrá-lo sob a forma de um bolo amarelo, o famoso ‘yellowcake’.

Darcy Lício – Esse tal ‘yellowcake’ é o produto final usado na Usina?

Prof. Hélio – Não, não. O ‘yellowcake’ é dissolvido e convertido para o estado gasoso, tornando-se hexafluoreto de urânio, ou UF6, que em seguida é transformado em dióxido de urânio sob a forma de pó. Depois de compactado, esse pó é convertido em pequenas pastilhas, que são colocadas em varetas metálicas e usadas, finalmente, como combustível para as usinas nucleares.

Juliana – Dá licença seu Darcy... Professor... Mas e as usinas de Angra dos Reis?  O senhor acha que elas podem causar acidentes como os da usina da Pensilvânia ou de Chernobyl?

Prof. Hélio – Olha só Juliana... Angra 2 opera pelo sistema de reator à água pressurizada. Essa é a opção mais segura na área nuclear. Mesmo porque esse sistema utiliza cinco barreiras de defesa que tornam remotíssima a possibilidade de escape de material radioativo.

Darcy Lício – Cinco barreiras de defesa? Tudo isso?

Prof. Hélio – Sim. Vamos contar... Primeira: o combustível, comprimido em pastilhas, é colocado em varetas que resistem a temperaturas de 1.200 graus... Segunda: as varetas são distribuídas em um vaso de pressão com paredes de 25 centímetros de espessura, em média. Terceira barreira: o vaso de pressão fica em um fosso isolado por grandes placas de concreto. Quarta barreira: outra esfera de aço envolve a área... E a quinta e última barreira: o edifício de concreto tem 70 centímetros de espessura, servindo também de barreira para o escape de material radioativo.

Darcy Lício – Bom saber disso... Mas também é bom lembrar que em qualquer atividade humana, os riscos sempre existirão, por melhores que sejam os mecanismos de salvaguarda, certo?

Prof. Hélio – Certíssimo! Por isso energia nuclear pressupõe, antes de qualquer coisa, investir na segurança de suas instalações, na proteção da população, dos trabalhadores e do meio ambiente. Ficou tudo claro pra você Juliana?

Juliana – Obrigada pessoal.

Darcy Lício – Nós é que agradecemos pela sua participação... E continuem ligados porque em breve voltaremos com mais um...

Ligação TV.

A Rádio 88 acabou de apresentar...

O ALMANAQUE SONORO DE QUÍMICA.